domingo, 26 de dezembro de 2010

Mesmo quando a boca cala

Foi você olhar de lado
E eu ao lado doido para confessar.
Mesmo quando a boca cala
O corpo quer falar.
Esses gestos incompletos,
Olhos tão repletos de te desejar.
O direito de ir e vir.
O desejo de ficar.
Tudo isso pra dizer que eu não sei dizer onde é que isso vai dar.
Que eu não mando no querer
Aliás, é o querer que quer me governar.
Hoje eu vivo pra dizer.
Eu digo pra viver.
Você é o meu lugar.
Se o amor não nos quiser
Então azar do amor
Não soube nos amar....




5 a seco

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Fortunate







[ (...)
  E quando a Sorte gritar meu
  Nome.
  Vou até a Ponte
  Declamar meus versos
  Elaborados.
  E jogar pedrinhas no
  Mar
  Para encaminhar teus passos
  Ao meu Amor.
  (...) ]





quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Wind




[ O Vento passou.
  Com precisão Levou.
  Tudo o que fazia Mal.
  Presentes...
  Papéis de balas...
  Cartas...
  Fotos...
  E até mesmo
  Aqueles teus velhos
  Beijos
  Que guardei debaixo
  Do Travesseiro. ]

Quero sentir um pouco do Nada...




A Beautiful Mess
You've got the best of both worlds
You're the kind of girl who can take down a man then lift him back up again
You are strong but you're needy, humble but you're greedy
And based on your body language and shorty cursive I've been reading
You're style is quite selective but your mind is rather reckless
Well I guess it just suggests that this is just what happiness is

Hey, what a beautiful mess this is
It's like picking up trash in dresses

Well it kind of hurts when the kind of words you write
Kind of turn themselves into knives
And don't mind my nerve you can call it fiction
Cause I like being submerged in your contradictions dear
Cause here we are, here we are

Although you were biased I love your advice
Your comebacks they're quick and probably have to do with your insecurities
There's no shame in being crazy, depending on how you take these words
That paraphrase in this relationship we're staging

And it's a beautiful mess, yes it is
It's like we're picking up trash in dresses

Well it kind of hurts when the kind of words you say
Kind of turn themselves into blades
And the kind and courteous is a life I've heard
But it's nice to say that we played in the dirt, oh dear
Cause here, here we are, here we are
Here we are

We're still here

And what a beautiful mess, this is
It's like taking a guess when the only answer is yes

And through timeless words and priceless pictures
We'll fly like birds not of this earth
And tides they turn and hearts disfigure
But that's no concern when we're wounded together
And we tore our dresses and stained our shirts
But its nice today, oh the wait was so worth it

Jason Mraz

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Heart for Rent







[ Cansei do cômodo.
  Do acômodo.
  Mudo.
  Surdo.
  Louco.
  São.


  Cansei do Outrora.
  Do Agora.
  Do Amanhã.
  Do Depois de amanhã.


  Cansei de pensar.
  Optei por Agir.
  Recolho as Conchas.
  As Contas.
  Os Contos.


  Varri minhas histórias mal contadas
  Para debaixo do tapete da sala de Visitas.
  Mudei os móveis de lugar.
  Pintei minhas paredes envelhecidas.
  Reformei meu teto cheio de lôdo e poeira.
  Troquei as fechaduras da Porta.
  Vetei as janelas laterais.
  Lavei Cortinas, Pias e Chãos.
  Tranquei todos os compartimentos de livre acesso.


  Na Entrada,
  Finquei na grama a Placa de
  Pré- Aviso.


  ALUGA-SE. ]





sábado, 11 de dezembro de 2010

Cru







[  - Queres falar alguma coisa?


   Os meus pensamentos são tão raros e doces.
   E tudo o que quero é sumir por uma Eternidade...
   Queria de fato, botar minha trouxinha de roupa nas costas e sair por aí sem rumo,... 
   Colhendo Estrelas na beira da Estrada e Assobiando aos grilos Falantes...


   - Nossa, que Bonito! 


   Tristeza, meu caro... tristeza... 
   Coração apurrinhado... Que emana verdades concretas. 
   O abstrato dá forma as lágrimas delirantes de meu peito, deliberadamente sofrido. 
   Quão sofrido!...


   - Se fores para bem longe daqui, moça de olhar triste... 
   Leva-me... Que acharemos a Felicidade e o pote de ouro no fim do arco íris...


   Quero voltar a ser criança. 
   Colher as florzinhas dos campos e espalhar sementes pelo caminho. 
    Quiçá, chegar ao tão esperado arco íris.... Porque Felicidade não se acha assim, em qualquer esquina.
    Felicidade é como Estrela Cadente, há de se admirar sua beleza que dura segundos eternos... 
   Porém, somos tão tolos e estúpidos, que o nosso intento é querer, a qualquer custo, capturar aquela   Estrela, achando que a Felicidade pode ser cultivada naquela caixinha de fósforos vazia... 
   E esquecemos de sentir a verdadeira Felicidade.


   - Falar tudo o que se tem vontade... Isso é um fato, moça de olhar triste. 
   Gosto de palavras gritadas. 
   Elas são bem compreendidas, mesmo que não se tenha a coragem para dizê-las. 


   Às vezes falar o que se tem vontade, não é de fato, falar o que se deve falar. 
   Ou o que de fato, se quer falar... 
   Sou tão pequenina, mas guardo comigo palavras jamais ditas... Ou sussurradas... 
   As pessoas, meu caro. Os Seres Humanóides, por assim dizer, são cegos.
   Certa vez cheguei a pensar que se faziam de cegos, mas hoje digo que o são. 
   Seres superficializados. 
   Ou talvez, industrializados. 
   Penso... 
   De que adiantaria gritar? 
   Simplesmente não se importam. 
   Olham para você e pensam: Não é comigo, então, vou presentear-lhe com meu foda-se!


   - É foda mesmo. Mas hoje não me importo mais com as pessoas que não se importam.


   Quero confessar-te uma coisa! 
   Hoje tive um pensamento extremante destrutivo. 
   Compulsivo,... mas destrutivo. 
   Pensei em como eu gostaria de morrer, apesar de não gostar da idéia de morrer. 
   Mas, o tive. 
   E logo pensei. 
   Queria morrer no Mar. 
   Onde eu mais amo. Onde eu mais temo. 
   Mas, onde eu me sinto um Eu que desconheço.


   - Pensamentos negativos. Sempre me vem no pensamento, assim como os positivos. 
   Queria ter o Equilíbrio, e não a Inconstância que sou. 
   Não queria essa maldita mania de ser Dois. 
   Gêmios...


   Geminianos, somos Nós! 
   Nos extremos da balança. 
   Somos o Todo em apenas Um.


   - Essa bipolaridade é Constante.


   O velho... 
   Eu por mim, me Basto! Mas, me dá uma pouquinho dos Outros também?!...


   - Não sei estar meio Triste ou meio Alegre. 
   Não sei ser Metade.


   Metade, meu caro... 
   Eu sou apenas no Tamanho! 


   Enquanto dos meus sentimentos eu já nem sei. 
   Seria como tomar um porre de recordações. 
   De nada adiantaria. 
   No amanhecer, a ressaca de desilusões virá à tona. 
   Por hora, quero apenas aproveitar esse mero momento de esclerose Súbita... Porque para a minha Dor, eu só quero a Cura.








"Uma conversa intimista com meu outro Eu"]





Respostas...







[ Porque é que não nos apaixonamos todos os meses de novo?
  Porque por altura de cada separação uma parte de nossos corações fica desfeita?
  Assim nos esforçamos mais para evitarmos o sofrimento do que na busca do prazer... 
  


citação de A.N.]



sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

[Ad]Equação







[ "Quem você quer Ser?
   - Eu queria ser alguém engraçada e divertida, que voltasse a enxergar o Amor... 
   Assim é a Vida.


   (...)




   (...)




   Eu sempre achei que o Amor, que o grande amor fosse incondicional.
   Que quando houvesse um grande encontro entre duas pessoas tudo podesse acontecer.
   Porque se aquele fosse o Grande amor, 
   Ele sempre voltaria Triunfal.
   Mas nem todo Amor é incondicional... 
   Acreditar na Eternidade do Amor é precipitar o seu Fim.
   Porque você acha que esse Amor aguenta Tudo.
   Então, de um jeito ou de outro, você acaba fazendo esse Amor passar por tudo.
   Um grande Amor não é Possível... E talvez por isso, é que seja Grande.
   Para que nele caiba o Impossível....
  


   (...)
   


citação de A.N.




   Meu último suspiro... 
   Meu último Adeus...
   Entrego Minh´alma ao Infinito....       ]





Em meus Olhos...







[ Cor tangente.
  Transparente.
  Branco.
  Em Preto.
  Verdades
  Daquilo que nunca foi dito.
  Proferido.
  Permitido.
  Meu vôo
  É mais alto que o Azul do 
  Céu. ]





quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Déjà Vu





[ Noite.
  Era tarde.
  O Nós
  Fazia-se presente.
  Entre 
  Conversas...
  Olhares...
  ...
  As mãos 
  Unem-se.
  Indestrutível momento.
  Eles
  Sentados
  Paralelamente.
  As Palavras alçam vôo.
  O Silêncio reina.
  Ela almejava proteção.
  Ele almejava protegê-la.
  Ficaremos, então, mais próximos... balbuciou Ele.
  Mais próximos do que já estamos!?... indagou Ela.
  Sim... Assim... e nada mais Ele falou.
  E num inesperado
  Beijo 
  Docemente 
  Roubado.
  Transcenderam...
  Sem nada temer.
  
  
  Adormeci. ] 

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Picadeiro







[ Ar de mistério.
  Flutuante.
  Naquele cenário
  Cheio de Vida.
  Cores.
  Cores.
  E mais Cores...
  Flautas.
  Tambores.
  Tudo planava no ar.
  Fantasias 
  Escondidas 
  Dentro daqueles
  Narigões avermelhados.
  Azuis...
  Verdes...
  Amarelos...
  Olhares tristonhos.
  Sorrisos, por sua vez, exuberantes.
  Gracejos.
  Um brilho furtou-me do olhar.
  Encantou-me.
  Atou-me.
  Com um jeito tão sem jeito
  Que é até difícil explicar.
  É como se seus olhares
  E suas feições
  Falassem 
  Sem nada dizer.
  É como se curasse 
  Minhas dores
  Quando me presenteia
  Com uma boa gargalhada.
  É como se me fizesse 
  Esquecer 
  Que dias tempestuosos
  Virão.
  É como se eu tornasse
  Criança
  Novamente.
  Palhaços... meus caros...
  Quão raros!
  Como não se apaixonar...? ]

Mudez







[ Boquiaberta.
  Cá Estou.
  Soluçando
  Atolada em minhas 
  Lágrimas.
  Que maldiziam 
  Meu Eu que
  Jamais será o mesmo
  De outrora.
  Meus ouvidos
  Ensurdeceram.
  Finalmente
  Minha boca
  Calou-se 
  Para o Nunca mais.... ]



Fadas de Contos...




Porque Eu Sei Que É Amor


Porque eu sei que é amor

Eu não peço nada em troca
Porque eu sei que é amor
Eu não peço nenhuma prova

Mesmo que você não esteja aqui
O amor está aqui
Agora
Mesmo que você tenha que partir
O amor não há de ir
Embora

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente 
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Sei que cada palavra importa
Porque eu sei que é amor
Sei que só há uma resposta

Mesmo sem porquê eu te trago aqui
O amor está aqui
Comigo
Mesmo sem porquê eu te levo assim
O amor está em mim
Mais vivo

Eu sei que é pra sempre
Enquanto durar
E eu peço somente
O que eu puder dar

Porque eu sei que é amor
Porque eu sei que é amor



 Titãs


segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Sabor Plutônico - Parte II







[ Sou ExtraTerrena.
  Sou Plutônica.
  Nascida no veraneio Solar.
  ReCriada com tempero Lunar.
  Tenho meus milhares de anos Luz.
  Sou Ócióloga.
  Vivo num Mundo pacato.
  Solitário.
  Mas, desde o dia que o encontrei
  Cantarolando em minha janela
  Nada mais tem sido com antes.


  Meu planeta saiu do eixo.
  Saiu da Órbita.
  Os dias não são mais dias.
  As noites então, nem vos falo.
  Só restou-me
  Arrumar a bagagem
  E percorrer pelos planetas vizinhos.
  À procura do poeta forasteiro
  Que furtou meus devaneios
  E a sintonia do meu coração.


  Já comprei meu bilhete espacial.
  Minha viagem pelas Vias da Láctea
  Começa logo logo.
  Espero algum dia
  Retornar a minha morada.
  Enquanto isso, 
  Deixo pendurado em minha porta
  Meu anúncio de
  Até a Volta.... ]

sábado, 4 de dezembro de 2010

[Fin]







[ Eu vejo a luz.
  Em tom de despedida.
  Ouço canções sem melodia.
  Notas falsas.
  Clave sem Sol.
  Sol lá si Dó do Mundo.
  Dou de mim.
  Abstinência
  Ao obstinado.
  Com claritude o meu encaixe 
  De pensamentos
  Se contorce.
  Distorce 
  Disforme à uma 
  Realidade paralela.
  Abstracta.
  Incolor.
  InDolor.
  Um brinde a minha 
  Retirada
  Pela porta dos fundos
  De minha Morada. ]



Jardim Estelar







[ Estou a espera
  De teu convite
  ExtraEspacial Surreal.
  Onde em teu Céu
  Eu possa resgatar velhas Estrelas.
  E cativar outras tantas.
  Banhada em teu Amor
  Sabor lavanda.


  Altitude.
  É a atitude de apenas viver.
  Sem Dor.
  Sem Dó.
  Sustentar o insustentável.
  Sonhar volúpias.
  Esquecer ultrajes.
  Planar ao infinito.


  Deleito-me em teu pensar.
  Mergulho em teu olhar.
  Leva-me contigo... 
  Para teu Espaço Sideral.
  Quero adormecer em teus braços.
  Quero bailar em teus sonhos.
  Quero você por completo... ]



quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Na Varanda







[ Tarde nublada.
  Casa de campo.
  O Verde.
  O Céu.
  Azul.
  Lá fora, a chuva cai
  Forte e 
  Contínua.
  Briza mansa.
  Vento inspirador.
  Chocolate quente.
  Sob cobertores de lã.
  Aconchego irresistível.
  De romance.
  Pés colados.
  Abraços.
  Suspiros.
  Eu e Você.
  O tempo congela... ]

Sentindo...




Bad Day 

Where is the moment we needed the most
You kick up the leaves and the magic is lost
They tell me your blue skies fade to gray
They tell me your passion's gone away
And I don't need no carryin' on

You stand in the line just to hit a new low
You're faking a smile with the coffee to go
You tell me your life's been way off line
You're falling to pieces everytime
And I don't need no carryin' on

Cause you had a bad day
You're taking one down
You sing a sad song just to turn it around
You say you don't know
You tell me don't lie
You work at a smile and you go for a ride
You had a bad day
The camera don't lie
You're coming back down and you really don't mind
You had a bad day
You had a bad day

Well you need a blue sky holiday
The point is they laugh at what you say
And I don't need no carryin' on

You had a bad day
You're taking one down
You sing a sad song just to turn it around
You say you don't know
You tell me don't lie
You work at a smile and you go for a ride
You had a bad day
The camera don't lie
You're coming back down and you really don't mind
You had a bad day

(Oh.. Holiday..)

Sometimes the system goes on the blink
And the whole thing turns out wrong
You might not make it back and you know
That you could be well oh that strong
And I'm not wrong

So where is the passion when you need it the most
Oh you and I
You kick up the leaves and the magic is lost

Cause you had a bad day
You're taking one down
You sing a sad song just to turn it around
You say you don't know
You tell me don't lie
You work at a smile and you go for a ride
You had a bad day
You've seen what you like
And how does it feel for one more time
You had a bad day
You had a bad day

Daniel Powter

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

ContrAmão







[ Ô felicidade triste essa
  Que rodeia meu coração.


  A vida é um fato
  Meramente engraçado.
  Em uma mão
  Te descobre a vida.
  Na outra
  Te toma uma partida.


  Sejamos loucos então.
  Tomemos do chá da sabedoria.
  E comemos os biscoitinhos 
  Recheados de magia.


  Sejamos loucos apenas.


  Conhecerei o meu Eu
  Que escondido no meu Eu
  Existe.
  É fato.


  E das singelas palavras que escrevi 
  Naquele singelo cartão fim de tarde.
  Um BoaNoite dou-te.
  Seguido de meu AtéLogo!

  Ansioso por teu breve Olá novamente.


  É a vida.
  Via em contramão.
  Eu via.
  Nas avenidas
  Futuras
  Curiosamente desconhecidas.
  Meu Almejo
  É te encontrar em 
  Meu Caminho. ]





Olhos de criança




[ Meus olhos choram
  As tragédias do Mundo.
  Meu peito grita
  A corja de maldades e mentiras.
  Minha mente emana
  O pedido de paz. ]




terça-feira, 30 de novembro de 2010

Súbito




[ Um minuto...
  Um segundo...
  Um coração...
  Um Amor...
  E um Caos outrora. ]


segunda-feira, 29 de novembro de 2010

A bailarina e o Guerrilheiro




[ Sobre saltos e rodopios.
  Com destreza meu olhar observa-o.
  Em movimentos suaves encaminho 
  Minhas pequenas mãos em tua face contemplada.
  Flautas envolvem o instante.
  Sinto a música.
  Sinta a música.
  Baixe as armas.
  Entre na dança.
  Teu cenho se faz candura.
  A pedra em teu peito
  Dá forma a um  
  Coração pulsante.
  Vivo, agora estás.
  Sinta meu coração 
  Que pulsa forte
  Ao tocar tuas mãos.
  Abra tua mente.
  Liberta teu corpo.
  Ama-me ao infinito. ]


domingo, 28 de novembro de 2010

Adormecer




[ Dormirei ao som dos
  Violinos.
  Acalanta meu pensar de maus 
  Fluidos.
  Leva minha'lma contigo.

  Meu Boa Noite!

  No amanhã
  Renascerei.
  Como a bela flor que
  Desabrocha
  Com o raiar do
  Sol. 

  Meu Bom Dia. ]



Benevolência

[ Ninguém entenderia 
  Se eu dissesse que me perdi no luar.
  Niguém admiraria 
  O pulsar de meu coração desavisado.
  Ninguém compreenderia
  Minhas mãos trêmulas ao tocar teu rosto.
  Ninguém acalantaria
  Minhas lágrimas por tua partida.
  Ninguém mudaria 
  O curso de minha própria vida.
  No agora, me encontro no estorvo.
  De tanto pensar me absorvo. ]



Guerra





[ Bombas.
  Explosões.
  Maldizer o futuro que ainda 
  Não resta.
  Tanques.
  Sangue.
  Notícia de jornal
  Pra todo dia.
  Aquilo que se maldizia.
  Cena de filme.
  Vida real. ]



sábado, 27 de novembro de 2010

Ventania





[ Meu coração se apequena.
  Preciso de um refúgio.
  Um casebre qualquer para recolher-me.
  A gota de lágrima cai de meus olhos chiaroscuros.
  Borrando meu semblante entristecido.
  Por hora, não tenho palavras.
  Gastei todas que restavam 
  Num verso simples 
  Que escrevi para o teu Eu sem respostas.
  Passado.
  Conseguinte.
  Enquanto isso, 
  Permaneço no presente.
  Sem futuro. ]



Diagnose




[ Certa vez disseram-me 
  Que o Amor é noçivo.
  Que mata, maltrata, tortura...
  O coração hospedeiro.
  Que esmaga as veias
  Até o jorrar do sangue.
  Que repudia o Ser não-pensante
  Com o coração apaixonado.
  Furando seus tristes olhos
  Com alfinetes de ilusão.
  Cegando-os completamente
  Sejam loucos ou sãos.
  Qualidades exacerbadas.
  Defeitos... já não sabe se o tem.
  Uma mente atordoada.
  Um pensar-sorrir aqui e alí.
  Uma dor no peito que mata.
  Que já não se pode fingir.
  Quem nunca amou
  Saberá apenas aquilo 
  Que os olhos e a razão lhes mostrou.
  Quem já amou,
  Mostrará aquilo que os olhos e a razão
  Jamais saberá. ]



Infância



Coração Vagabundo


Meu coração não se cansa
De ter esperança 
De um dia ser tudo o que quer

Meu coração de criança 
Não é só a lembrança 
De um vulto feliz de mulher 

Que passou por meus sonhos
Sem dizer adeus
E fez dos olhos meus 
Um chorar mais sem fim

Meu coração vagabundo
Quer guardar o mundo 
Em mim 

Meu coração vagabundo
Quer guardar o mundo 
Em mim


Ana Cañas

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Apenas Palavras...




[ Distorções.
  Desculpas.
  Frustrações.
  Perspectivas.
  Realizações.
  Alegrias.
  Expectativas.
  Amores. 
  Viver.
  Solidão.
  Saudades.
  Amores.
  Desejos.
  Trajetórias.
  Amores.
  União.
  Caminhos.
  Amores.
  Decepções.
  Passagens.
  Lágrimas.
  Traições.
  Conquistas.
  Dimensões.
  Ódio.
  Amores.
  Sintonia.
  Encanto.
  Felicidade.
  Morrer.
  Lembranças.
  Sorrisos.
  Tristezas.
  Amores... ]